outubro 21, 2015

IVI DEMONSTRA QUE CONGELAMENTO DE EMBRIÕES NÃO INFLUENCIA NO PESO E PREMATURIDADE DO RECÉM NASCIDO

É um mito comum que os bebês nascidos com a ajuda dos tratamentos de reprodução humana assistida nascem prematuros ou abaixo do peso normal. No entanto, mais uma vez especialistas confirmam a saúde dos bebês dos casais que superaram a infertilidade. Especialistas do IVI apresentam um estudo sobre o peso e o tempo de gestação dos bebês nascidos a partir de embriões frescos, comparado aos nascidos de embriões que estiveram congelados.
O estudo Difference in birth weight of consecutive sibling singletons is not found in oocyte donation when comparing fresh versus frozen embryo replacements apresentado durante o congresso ASRM (American Society for Reproductive Medicine) comparou irmãos nascidos através de tratamento de Fertilização in Vitro com óvulos doados, isolando variáveis independentes que podem afetar a gravidez, chegando à conclusão que a duração da gestação e o peso do bebê gerado por embriões frescos ou congelados é a mesma.
Dra. Daniela Galliano, diretora do IVI Roma e autora principal do estudo, comemora os resultados: “Controlamos os fatores como fenotípicos, clínicos e de laboratório das 360 mulheres que participaram da pesquisa e nenhum foi determinante para estabelecer uma preferência entre embriões frescos ou congelados”. Segundo a diretora do IVI São Paulo, Dra. Silvana Chedid, que esteve presente no congresso, os resultados são positivos e reforçam a segurança da técnica de congelamento conhecida como “vitrificação”, onde os embriões são congelados em nitrogênio líquido a uma temperatura de -196º.
“Muitas vezes utilizamos a técnica de congelamento de embriões quando os casais passam por um primeiro tratamento de fertilidade e preservam os embriões que não foram fecundados para uma gestação futura, outras vezes, para diminuir eventuais riscos da gestação, os embriões são congelados para sua implantação em um ciclo posterior à estimulação dos ovários”, explica Dra. Genevieve Coelho, diretora do IVI Salvador.
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) a infertilidade atinge aproximadamente 15% da população. As melhores taxas de gravidez e redução de preços tem aumentado a procura de ajuda para realizar o sonho de ter filhos. Na Europa, os nascidos com a ajuda da medicina reprodutiva representam 3% do total de nascimentos e, no mundo, estima-se mais de 5 milhões de bebês nasceram graças a um tratamento de reprodução humana.

CONTACTO DE IMPRENSA

  • Tainah Dias Machado Carvalho

DOSSIER DE IMPRENSA

Última atualização
Junio 2019

Baixar

Voltar ao topoarrow_drop_up