abril 20, 2016

MULHERES COM SÍNDROME DE ASHERMAN E ATROFIA ENDOMETRIAL TÊM UMA NOVA ESPERANÇA PARA SEREM MÃES

Liderado pelos especialistas em fertilidade Professor Carlos Simon e Dr. Xavier Santamaria da Fundação IVI, o estudo demonstrou pela primeira vez que a terapia de transplante autólogo, usando sangue periférico autólogo (CD133+) derivado das células-tronco da própria paciente (BMDSC) pode melhorar de forma significante desordens menstruais e causas de infertilidade como a Síndrome de Asherman (AS) e Atrofia Endometrial (EA).
A terapia de transplante autólogo (Autologous Stem Cell Therapy) envolve células-tronco coletadas no sangue da própria paciente, que é tratado e injetado nas pequenas artérias do útero com o objetivo de reativar o endométrio, que é a parede interna do útero, essencial para que a gravidez aconteça.
A Síndrome de Asherman é uma condição uterina caracterizada por aderências fibrosas que causam problemas como aborto e infertilidade. Esta Síndrome está presente em 5% da população mundial feminina e pode ser diagnosticada através da histeroscopia.
Atrofia Endometrial é outra condição uterina também conhecida como “endométrio fino”, caracterizada quando o tecido endometrial tem uma grossura menor de 5mm, causando sérias dificuldades para conceber. Muitos tratamentos até hoje foram adotados para tratar o endométrio fino, mas nenhuma de forma efetiva. Entre 0,6-0,8% das mulheres em tratamentos de reprodução assistida têm atrofia endometrial.
O estudo realizado envolveu mulheres de 30 a 45 anos afetadas pela Síndrome de Asherman e Atrofia Endometrial. Antes de dar início à pesquisa, cada paciente realizou uma série de testes para medir a espessura do endométrio e mapeamento dos níveis de aderências intrauterinas. Os testes foram repetidos após 3 meses e então foi aplicada a terapia genética de transplante autólogo. O processo foi repetido após 6 meses.
Os resultados demonstraram que quase todas as pacientes que receberam o tratamento apresentaram melhoras em sua cavidade uterina após 2 meses de terapia. Além disso, a espessura endometrial foi de 4,3mm para 6,7mm. Como resultado até o momento, dois bebês já nasceram.
O estudo demonstrou a segurança da Terapia de Transplante Autólogo de Células-tronco, sendo esta a primeira fase do estudo. A fase dois é conseguir que as mulheres portadoras de AS e EA condições que não têm cura, consigam obter a gravidez espontânea, ou seja, de forma natural.
Falando sobre os resultados do estudo, o Professor Carlos Simon explica “A Síndrome de Asherman se caracteriza pela presença de adesões intrauterinas, e a Atrofia endometrial impede o espessamento do endométrio, que fica mais fino que 5mm. As duas patologias trazem como consequência desordens menstruais e infertilidade. Muitas terapias foram testadas no passado, mas nenhuma com resultados efetivos como os que alcançamos com esta terapia genética.
Considerando que a Síndrome de Asherman e a Atrofia Endometrial são condições sem cura, os resultados desse estudo são muito significativos”.
Sobre a Fundação IVI
A Fundação IVI é a primeira fundação espanhola dedicada à investigação aplicada na área de reprodução humana que oferece um serviço que é científico, educacional e social. É parte do parque científico de ciência e tecnologia da Universidade de Valência, sendo também é o departamento de pesquisa científica do grupo IVI.
Sobre o estudo
Título – ‘Autologous cell therapy with CD133+ bone marrow-derived stem cells in refractory Asherman’s syndrome and endometrial atrophy: a pilot cohort study.’
Amostra – 18 pacientes entre 30-45 anos com diagnóstico de Síndrome de Asherman ou de Atrofia Endometrial.

CONTACTO DE IMPRENSA

  • Tainah Dias Machado Carvalho

DOSSIER DE IMPRENSA

Última atualização
Junio 2019

Baixar

Voltar ao topoarrow_drop_up