novembro 22, 2021

Resultados do envelhecimento ovariano, apresentados no Congresso IVIRMA

Comitê Editorial IVI Salvador

Ressaltamos sempre o impacto da passagem do tempo para o aparecimento de problemas reprodutivos, que conhecemos como envelhecimento ovariano. E que cada vez mais o momento em que as mulheres decidem engravidar é postergado, por causas demográficas ou socioeconômicas. Assim, a reativação ovariana se apresenta como uma opção com resultados promissores para pacientes com baixa reserva ovariana e mal prognóstico. Caso contrário, essas mulheres só poderiam gestar com óvulos doados para realizar seu desejo de se tornarem mães. Nesse sentido, na nona edição do Congresso IVIRMA, apresentou-se vários trabalhos nesta área da medicina reprodutiva.

Trabalho apresentado no 9º Congresso IVIRMA

“É importante ressaltar que, frequentemente, os distúrbios do envelhecimento estão associados à disfunção mitocondrial. Além das alterações na oogênese – processo de formação das células sexuais femininas – e na embriogênese – formação e desenvolvimento do embrião -, explica o Prof. Emre Seli, Diretor de Pesquisas do IVI nos EUA.

Partindo desse contexto, o Prof. Seli desenvolveu um estudo sobre o papel da disfunção mitocondrial no envelhecimento ovariano. Ele também analisa como explorar os mecanismos mitocondriais, a fim de desacelerar ou reverter o impacto da idade nas gônadas femininas – a glândula genital responsável pela produção das células reprodutivas.

“As mitocôndrias são organelas especiais e importantes. Eles desempenham um papel fundamental no metabolismo celular. Além disso, eles têm seu próprio DNA mitocondrial. Eles há muito estão implicados no envelhecimento somático. Os cientistas partiram da hipótese de que o DNA mitocondrial sofreu mutações ao longo do tempo. Isso, por sua vez, ocasionou uma menor eficiência na produção de proteínas derivadas do referido DNA. Assim, uma vez que a célula perdesse a capacidade de gerar energia de forma eficaz, ela envelheceria mais rápido ”, acrescenta o Dr. Seli.

Relação entre disfunção mitocondrial e envelhecimento ovariano

Embora essa hipótese seja sólida que realizou-se por modelos animais, geralmente não é uma causa comum de envelhecimento de células somáticas em humanos.

“Existem muitas outras teorias sobre a incidência de mitocôndrias na saúde e envelhecimento celular. Alguns sugerem que os problemas de fusão mitocondrial – ou seja, pela fusão que as mitocôndrias se encontram ou se fundem – ou problemas derivados do estresse mitocondrial podem acelerar o envelhecimento. Nesse sentido, esse cenário foi observado em testes em animais, que provocaram envelhecimento acelerado e danificaram a reserva”, afirma Seli.

Por outro lado, utiliza-se as mitocôndrias também como ferramentas diagnósticas. Por meio da medição do número de cópias do DNA mitocondrial, é obtido um prognóstico da saúde e da viabilidade do embrião.

Embora no momento não haja solução para a aceleração do envelhecimento em relação às mitocôndrias, no IVI estamos liderando uma linha de pesquisa que pode se tornar uma alternativa.

“De forma semelhante, a substituição mitocondrial tem sido usada. Retirar mitocôndrias autólogas das células-tronco do paciente e colocá-las na fonte para um propósito potencialmente rejuvenescedor, apesar do fato de que um estudo da IVI Valencia provou que essa abordagem não é conclusiva no momento”, conclui o Dr. Seli.

Reativação ovariana para reverter o envelhecimento ovariano

Um dos temas que atualmente mais desperta interesse, na medicina reprodutiva, é o envelhecimento ovariano. Aproximadamente, em nosso país, 1 em cada 100 mulheres com menos de 40 anos sofre de insuficiência ovariana prematura (POI). Isso se traduz na impossibilidade de carregar um bebê com seus próprios óvulos, o que significa que elas devem recorrer à doação de óvulos para serem mães.

Assim, é particularmente relevante o estudo apresentado nesta edição do Congresso IVIRMA pelo Professor Antonio Pellicer, Presidente e CEO do IVI, sobre a Reativação Ovárica, uma opção viável e eficaz para este tipo de pacientes.

“Nos últimos anos, nosso grupo de pesquisa tem se concentrado no desenvolvimento de alternativas para pacientes com baixa reserva ovariana, que seriam levadas à doação de óvulos. Nossos estudos anteriores refletem a capacidade do transplante autólogo de células-tronco ovarianas de otimizar o crescimento dos folículos existentes. Assim, permite-se o desenvolvimento de gestações e partos de bebês em pacientes com baixo índice de resposta e com prognóstico muito ruim ”, comenta o Prof. Pellicer.

Com o objetivo de desenvolver uma técnica mais eficiente, mas ao mesmo tempo menos invasiva, o IVI desenvolveu um estudo experimental voltado para testar a capacidade de diferentes fatores secretados pelas células-tronco em reativar os ovários.

Achados importantes para pacientes com baixa reserva ovariana

“Também testamos outros fatores, contidos nas plaquetas, que são a base do tratamento com PRP (Plasma Rico em Plaquetas), proposto para mulheres com falência ovariana. Nesse estudo, observamos que diferentes fontes de plasma ou fatores de células-tronco ou plasma do sangue do cordão umbilical foram capazes de induzir diferentes graus de vascularização ovariana local, proliferação celular, reduzir a apoptose e finalmente promover o crescimento folicular em camundongos com ovários lesados ​​” explica o Prof. Pellicer.

Esses achados sugerem a relevância de combinar os benefícios dos componentes não celulares da técnica ASCOT com os fatores de crescimento contidos nas plaquetas. Com isso, consegue-se uma melhora e aceleração dos efeitos regenerativos no ovário. Portanto, seria um tratamento eficaz atingir resultados encorajadores no uso dos próprios oócitos em pacientes com reserva ovariana deficiente.

 

 

Solicite a sua primeira consulta:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topoarrow_drop_up