novembro 21, 2019

Infertilidade secundária: o problema que afeta muitos casais quando tentam engravidar do segundo filho

Um casal toma a decisão de ter outro bebê, mas as tentativas não rendem o efeito esperado. Tanto a mulher quanto o homem começam a perceber que está mais difícil de engravidar pela segunda vez. Esse tipo de situação é mais comum do que muitas pessoas imaginam. O que acaba remetendo a uma constatação: a fertilidade não está sob o controle nem da mulher, nem do homem.

Enfrentar o diagnóstico de infertilidade secundária pode ser chocante. Ainda mais para muitos casais que facilmente engravidaram do primeiro filho, às vezes até por ‘acidente’. O termo se refere a pais que após um ano de relações sexuais sem proteção, não conseguiram conceber outro filho. Consideram-se também aqueles que tiveram episódios de abortos recorrentes.

A infertilidade é um assunto bastante delicado, que vem se tornando cada vez mais presente entre casais em todo mundo. Os dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) são assustadores. Mais de 180 milhões de casais residentes em países em desenvolvimento sofrem de infertilidade primária ou secundária. 

Reconhecer o problema e buscar ajuda

É necessário ter certo conhecimento sobre o assunto para saber quando é preciso recorrer a um especialista. A solução pode estar em começar algum tipo de tratamento. As causas da infertilidade secundária são parecidas com as da infertilidade primária. A diferença é pelo fato de que a secundária se dá pelo aparecimento do problema após a primeira gestação.

É importante lembrar que as causas podem vir tanto da mulher quanto do homem. Somente a partir da identificação da causa será possível determinar o tratamento adequado. Um médico especializado em reprodução humana precisa ser consultado para investigar o que pode estar gerando a infertilidade.

As chances de engravidar vão depender do problema e do tipo de tratamento a ser realizado. De modo geral, casais com infertilidade secundária têm mais chance de engravidar do que os que nunca tiveram filhos.

O diagnóstico de infertilidade secundária tende a ser tardio e ter uma pior aceitação por parte do casal. Isso porque a dificuldade aparece após uma concepção já realizada pelo casal.

Um casal com histórico de doenças sexualmente transmissíveis deve ficar atento; mulheres com ciclos menstruais irregulares também precisam investigar; uma sequência de abortos espontâneos deve ser um grande motivo de alerta.

Causas da infertilidade secundária na mulher

Existem inúmeras possibilidades que podem ter acontecido após a primeira gravidez. Nas mulheres, o problema pode estar relacionado a algum processo inflamatório que tenha causado obstrução das trompas e/ou ovários. Ainda pode ter relação com alterações no endométrio, problemas na ovulação, oscilações hormonais, entre outros.

A idade é um fator importante. Os anos mais férteis de uma mulher são entre 15 e 30 anos. Aos 36, quase 25% das mulheres já podem ser inférteis. Acredita-se que os óvulos de uma mulher sofrem danos cromossômicos à medida que envelhecem. Quanto mais velhos os óvulos, mais danificados eles são e menos provável que eles sejam fecundados.

Pode também ocorrer alterações hormonais. Isso sem falar na endometriose, doença na qual o tecido endometrial se implanta a um órgão pélvico. Podendo gerar obstruções tubárias que impedem a concepção ou causam gravidezes ectópicas, que é quando o embrião se desenvolve fora do útero, geralmente na tuba uterina.

Cicatrizes ocultas são outra causa possível. Infecções não tratadas podem deixar um tecido anormal no útero. Essas aderências podem impedir que um óvulo fertilizado se implante adequadamente ou criar cicatrizes nas trompas de falópio. Cirurgias, quimioterapia e radioterapia também podem afetar ambos os sexos.

Causa da infertilidade secundária no homem

Nos homens, a causa pode ser por doenças que geram alterações na morfologia e mobilidade do espermatozoide. A concentração reduzida de espermatozoides no sêmen, ou até mesmo alterações no aparelho reprodutor, impedem o transporte dos espermatozoides, dificultando a fecundação.

Ocasionalmente, a mudança na fertilidade de um homem pode ser atribuída a uma doença crônica, como hipertensão ou diabetes. Ao identificar estes pontos, é necessário procurar rapidamente a ajuda de um especialista que realize os exames necessários. E, a partir daí ter a indicação do melhor tratamento para o casal.

Além dos pontos listados, o estilo de vida do casal pode levar a dificuldade em ter o segundo filho. A alimentação, obesidade, tabagismo, álcool e outras drogas, constam na lista de itens agravantes. A infertilidade secundária é um problema importante e precisa ser reconhecido para seja iniciado o tratamento adequado.

Tratamentos para casos de infertilidade secundária

Alguns exames específicos são ferramentas importantes para o diagnóstico e tratamento. Nos homens, o espermograma avalia a condição reprodutiva. Com ele, é possível avaliar a qualidade do sêmen e a quantidade de espermatozoides, aspectos fundamentais para apontar o nível de fertilidade masculina.

Já nas mulheres a histerossalpingografia é um exame com o qual é possível investigar se há alguma alteração física no útero e nas trompas. A ultrassom transvaginal foca no útero e nos ovários da mulher e é utilizada para verificar se há alguma alteração nesta região.

Existe hoje uma série de tratamentos que possibilitam o sonho de um casal conseguir aumentar a família. Dentre as opções, estão a Inseminação Intrauterina (IIU) ou Inseminação Artificial. Nessa técnica, os espermatozoides são depositados na cavidade uterina durante a ovulação programada da mulher.

Já a Fertilização in Vitro (FIV) é processo mais complexo, feito em laboratório, onde o óvulo é fertilizado com o espermatozoide. Os gametas são mantidos em condições de temperatura e ambiente similar ao das trompas. Quando o processo evolui adequadamente, os pré-embriões são transferidos para o útero da mãe.

Existe ainda a estimulação hormonal. Ela é indicada para quando a causa da infertilidade do casal é que um dos dois apresenta uma disfunção hormonal. A indução da ovulação consiste na estimulação ovariana utilizando medicações, aumentando as chances da gravidez.

A clínica IVI é especialista em tratamentos para infertilidade conjugal, você pode agendar uma consulta através do ivi.net.br ou pelo telefone 71. 3014-9999.

Solicite a sua primeira consulta:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topoarrow_drop_up