Solicite mais informações

Tudo que você precisa saber sobre a nidação

nidacao-gravidez

 

Depois de passar por um tratamento de reprodução assistida, seja ele Fertilização In Vitro ou Inseminação Artificial, o momento de maior expectativa é a implantação do embrião no útero. Esse momento pode ser explicado como o “diálogo” do embrião com o útero; a nidação. A nidação ocorre para que o embrião crie conexões no endométrio e possa se desenvolver, estabelecendo a gravidez de fato.

Como a nidação acontece?

Para que a nidação aconteça, existem dois fatores principais: a qualidade embrionária e a receptividade uterina. A qualidade embrionária é estabelecida a partir da qualidade dos gametas masculino e feminino; espermatozoide e óvulo.

 

Qualidade do embrião influencia a implantação

A qualidade seminal é fundamental no momento da fecundação, pois ela vai influenciar diretamente a divisão celular do embrião. Caso haja sêmens com diminuição na quantidade ou alterações na morfologia, isso impactará na qualidade embrionária.

A qualidade do óvulo também é crucial para que o embrião se forme perfeitamente. O óvulo sofre envelhecimento ao longo da vida, assim como a mulher. Por este motivo, ele vai perdendo o potencial de fecundação ao longo dos anos. Em mulheres de idade fértil avançada, mesmo aqueles óvulos que chegam a ser fecundados podem carregar alterações cromossômicas, o que leva à má qualidade do embrião.

Uma anormalidade nos cromossomos pode fazer com que o embrião não se desenvolva, seja no laboratório ou no momento da implantação no útero.

Caso a nidação ocorra, ainda existe a possibilidade desse embrião com alterações cromossômicas implantar e depois ser abortado, ou ainda formar um bebê com alguma doença cromossômica, como a Síndrome de Down, por exemplo.

Como avaliar a qualidade do embrião antes da transferência?

Para avaliar a qualidade do embrião antes de transferir o embrião na Fertilização in Vitro, é possível realizar o estudo genético pré-implantacional.

Esse estudo, feito a partir de coleta de células do embrião, é indicado para comprovar a saúde genética deste embrião em relação a doenças hereditárias e alterações cromossômicas. O Diagnóstico Genético Pré-implantacional (PGD) é indicado para famílias com histórico de doença hereditária, bem como para casais consanguíneos e com recomendação a partir do exame de compatibilidade genética dos pais. Já o Screening Genético Pré-implantacional (PGS) tem como objetivo descartar as alterações cromossômicas de um embrião, que podem prejudicar o seu desenvolvimento e implantação ou provocar doenças genéticas como a Síndrome de Down.

Fatores uterinos

O outro fator primordial para que a nidação ocorra sem problemas é a receptividade uterina. O útero precisa estar bem preparado para receber o embrião no momento em que ele é transferido para a cavidade uterina.

O endométrio é o tecido que reveste a cavidade uterina, formado por duas camadas (funcional e basal) e estimulado por hormônios ovarianos chamados estradiol (estrogênio) e progesterona.

Cerca de 25% dos casos de falha na implantação são relacionados a problemas na receptividade do útero. Isso se dá principalmente pelos seguintes fatores:

  • Endométrio com espessura abaixo de 7mm;
  • Miomas que invadem a cavidade uterina;
  • Pólipos endometriais (protuberâncias que se formam no endométrio);
  • Cicatrizes dentro do útero que distorcem sua cavidade;
  • Malformação uterina;
  • Adenomiose.

Janela de implantação

A janela de implantação é o período de receptividade do endométrio para implantar o embrião, normalmente ocorre entre os dias 19 e 21 do ciclo menstrual. Esse período tem o nome de janela de implantação por ser o único período em que o embrião terá possibilidade de implantar-se no útero. Em algumas mulheres, acontece o deslocamento da janela de implantação.

 

O que é o deslocamento da janela de implantação?

Quando há o deslocamento da janela de implantação, significa que o endométrio daquela paciente está receptivo para a transferência do embrião em um período diferente do habitual. Pode ser antes, durante ou depois dos dias 19 e 21 do ciclo menstrual.

“A janela de implantação é deslocada em 3% dos casos, por isso podem ocorrer insucessos. Em casos de falhas de Fertilização In Vitro sequenciadas, é indicado o teste ERA, para identificar o melhor dia para transferir o embrião”, diz Dra. Genevieve Coelho, diretora médica do IVI Salvador.

Teste ERA identifica melhor dia para transferência do embrião

Para identificar os dias de maior receptividade uterina, especialistas em medicina reprodutiva da clínica IVI Salvador utilizam o teste ERA (Endometrial Receptivity Array).

A partir de uma pequena amostra do tecido endometrial, o teste ERA identifica o melhor dia para a realização da transferência embrionária. Este estudo revela a janela de implantação personalizada da paciente em caso de deslocamento e permite individualizar a transferência embrionária e assim, prevenir falhas de implantação.

 

Nidação sempre vem acompanhada de sangramento?

Essa é uma das dúvidas mais recorrentes das pacientes que fazem Fertilização in Vitro. A nidação nem sempre vem acompanhada de sangramento, inclusive, apenas 25% das mulheres sangram no momento de implantação do embrião.

Procure um especialista em reprodução assistida para entender mais detalhes sobre o desenvolvimento do embrião, receptividade uterina e como esses fatores influenciam a implantação do embrião. Uma vez com embrião saudável implantado, a gravidez tem grandes chances de ser normal e resultar no parto de um bebê com saúde.

 

 

Compartilhar Facebook Twitter Google +