junho 15, 2015

Avaliação da fertilidade com o exame FSH

Com o objetivo de conscientizar as mulheres da importância de incorporar a avaliação da fertilidade a partir dos 30 anos dentro da rotina de exames ginecológicos estamos em campanha no BLOG do IVI junto com os blogs Almanaque dos Pais, Mamy Antenada, Mãe à Flor da Pele e Trocando Fraldas. É fácil prevenir complicações de fertilidade, pois a partir de uma amostra de sangue é realizado um dos exames mais comuns para a avaliação da fertilidade, o FSH. Esse exame mede os níveis do hormônio folículo-estimulante e normalmente está coberto pelos planos de saúde.

O FSH é um hormônio produzido na glândula hipófise. O exame que leva o nome do hormônio indica a dosagem de FSH para auxiliar no diagnóstico de distúrbios que influenciam na fertilidade. Apesar de conhecido por ser solicitado para avaliar a fertilidade feminina, a dosagem de FSH também pode ser útil para avaliar casos de infertilidade masculina, auxiliando na determinação de causa da baixa contagem de sêmen.

Nas mulheres o exame FSH é realizado entre o 3º e o 5º dia do ciclo menstrual, sendo que o primeiro dia do ciclo é considerado o primeiro dia da menstruação. Tecnicamente o objetivo é auxiliar na avaliação da reserva ovariana, ou seja, a qualidade e quantidade de óvulos. Valores menores indicam melhor reserva.

Tabela de indicador FSH

ResultadoIndica
Até 5Excelente reserva ovariana
5 – 10Boa reserva ovariana
10 – 15Reserva ovariana diminuída
+ 15Baixa reserva ovariana

 

Obs. Quando a mulher atinge a menopausa, os níveis de FSH aumentam.

Como é realizado o exame FSH?

A avaliação do FSH é realizada a partir de uma amostra de sangue e pode ser solicitada pelo ginecologista. Os resultados desse exame podem variar dependendo do momento do ciclo menstrual, por isso existe uma recomendação do período ideal de realizá-lo e, é possível que para confirmar os resultados, o ginecologista solicite repetir o exame.

O que fazer se os resultados indicam baixa reserva ovariana?

O FSH é o primeiro passo para investigar se existem alterações hormonais. Por isso ao detectar indícios de uma baixa reserva ovariana, o ginecologista irá encaminhar a paciente a um especialista em reprodução humana.

Quais são as causas dos problemas ovulatórios mais frequentes?

  • Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP). Saiba mais clicando aqui;
  • Idade avançada, que para sistema reprodutivo é considerada a partir dos 35 anos;
  • Problemas de tireoide
  • Obesidade, que pode provocar irregularidades hormonais;
  • Cigarro, que diminui 3 vezes a capacidade reprodutiva e provoca a menopausa precoce

Solicite a sua primeira consulta:

7 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topoarrow_drop_up