dezembro 19, 2022

Hidrocele: Como identificar e tratar

hidrocele

Comitê Editorial IVI Salvador

A hidrocele não causa infertilidade, mas ela pode ser desenvolvida após algum problema que levou a infertilidade do homem. E é importante explicar exatamente o que é o problema e o que ele pode acarretar.

A hidrocele é uma doença que acomete apenas o sexo masculino. Ela atinge a bolsa escrotal. E, se caracteriza pela presença de líquido em quantidades anormais dentro da região escrotal ou da que envolve o testículo, podendo ser unilateral ou bilateral.

A doença pode aparecer ao longo da vida ou, ainda, pode acontecer por fatores congênitos. Entre os principais pacientes, estão bebês (recém-nascidos) e especialmente homens acima dos 45 anos de idade.

Diferente da varicocele, que é a dilatação dos vasos sanguíneos que drenam os testículos e mais comum em jovens, a hidrocele afeta principalmente os adultos e, por isso, gera sempre a dúvida e os questionamentos em relação à questão da fertilidade.

Sintomas e diagnóstico da hidrocele

Os testículos são envolvidos por um pequeno volume de líquido com a função de lubrificá-los. Quando há deficiência na absorção deste fluído, o acúmulo leva à hidrocele, que também pode surgir devido a uma inflamação (infecção ou trauma) ou tumor do testículo (traumatismos, obstruções dos vasos linfáticos ou tumores).

O principal sintoma da hidrocele é o inchaço na bolsa escrotal, que pode levar o paciente a pensar que é um aumento do testículo, mas não é. Geralmente o indivíduo com a doença não sente dores, exceto quando a inflamação já está muito grave. Por isso a importância de se autoavaliar, prestar atenção aos detalhes do corpo e buscar ajuda médica quando algo parece que não está certo.

Para diagnosticar a hidrocele, o primeiro passo é realizar o exame físico, de sangue e de urina. Este último irá identificar se há alguma infecção. Dependendo do caso, pode-se solicitar a ultrassonografia para oferecer suporte ao diagnóstico.

Uma das principais causas da hidrocele testicular é relacionada a um possível desequilíbrio que existe naturalmente entre a formação e a absorção de líquido ao redor do testículo.

E um alerta importante: normalmente, a doença costuma ocorrer de forma conjunta com outros problemas, como inflamações, traumatismos e lesões na região escrotal.

Então ter hidrocele significa ser infértil?

A hidrocele, por si só, não afeta a fertilidade, ao contrário do que muita gente pensa. Porém, ela pode ser consequência de outras doenças que tragam danos à fertilidade.

Por este motivo, seu diagnóstico é importante, a fim de que haja o tratamento de outras possíveis enfermidades. Na medicina, tudo é muito individualizado. Mas sabemos que por si só, a hidrocele não ocasiona a infertilidade. Lógico que é importante examinar, investigar e entender se aquele paciente está sofrendo de mais algum problema por consequência do caso de hidrocele – e esse problema, sim, está causando a infertilidade.

Caso seja identificada a infertilidade por qualquer motivo – ligado ou não à doença – a medicina reprodutiva pode ajudar e ter uma solução adequada para cada caso. Cada paciente terá uma indicação de tratamento que se adeque à sua realidade, que ajude a resolver a sua infertilidade.

Conforme já visto, a hidrocele tem maior desenvolvimento no caso dos adultos, especialmente em homens a partir dos 45 anos. Então, como essa é uma idade em que boa parte dos homens já busca a paternidade; os cuidados precisam de fato ser redobrados.

Esses indivíduos devem ficar atentos a qualquer tipo de lesão, infecções sexualmente transmissíveis e tumores que possam atingir a região, pois tudo isso pode levar ao desenvolvimento do problema.

Como é o tratamento da hidrocele?

Na maioria dos casos, o acúmulo de líquidos que causa a hidrocele costuma desaparecer sozinho após alguns dias ou semanas. Isso costuma acontecer já em pacientes recém-nascidos que têm 0 problema.

No entanto, se não houver esse desaparecimento do excesso de líquidos ou se a condição afetar de forma demasiada a qualidade de vida do homem e o desenvolvimento de seus órgãos sexuais, pode-se realizar um procedimento cirúrgico para o tratamento.

A cirurgia se chama “hidrocelectomia”. Nela, o líquido excessivo presente nos testículos é removido com o auxílio de um aparelho que aspira os líquidos em excesso.

Vale sempre ressaltar que costuma-se indicar a cirurgia em casos mais graves, em que há um inchaço moderado ou grande; ou comprometimento da qualidade de vida do homem.

A ressecção de parte da pele do escroto é opcional e pode-se realizar por questões estéticas.

Embora exista a possibilidade de remoção por procedimento cirúrgico, é sempre bom destacar que existem outras opções de tratamentos. Porém, as chances de recorrência são mais altas, como o procedimento de aspiração do fluido ou a injeção de uma solução esclerosante, a fim de endurecer o fluido para aspirá-lo com mais facilidade.

Em todo caso, é importante salientar que a cirurgia de correção da hidrocele realizada de forma adequada, não oferece risco de esterilidade ao homem. Mas os especialistas alertam que, embora sabendo que a doença não seja uma condição perigosa e nem esteja ligada à problemas de fertilidade, ela pode eventualmente estar associada a outras condições testiculares subjacentes, tais como infecções, tumores ou hérnias inguinais. Estas condições, sim, poderiam causar sérias complicações, incluindo a infertilidade.

Hidrocele Unilateral e Bilateral

Quando a presença de líquido em quantidades anormais dentro da região escrotal é verificada e afeta os dois testículos ao mesmo tempo, a hidrocele ganha o título de “hidrocele bilateral”.

Mas existem casos em que ela afeta apenas um dos lados dos testículos. Nesse caso, chama-se hidrocele unilateral. Em ambos os casos, ela se comporta da mesma maneira e tem os mesmos sintomas, diagnósticos e métodos de tratamento.

Se está tentando engravidar, baixe nosso guia gratuito para casais tentantes, clicando aqui.

Solicite a sua primeira consulta:

Comentários estão fechados.

Voltar ao topoarrow_drop_up