julho 7, 2022

O que é a anovulação

O que é a anovulação

Comitê Editorial IVI Salvador

Você sabe o que é a anovulação? Quando se trata da fertilidade feminina, entramos em um assunto complexo…

Diversos processos no corpo da mulher garantem a fertilidade ou provocam a infertilidade. A infertilidade pode acometer por diversos motivos. Mas o principal deles é a idade da mulher.

A fertilidade feminina envolve diversos aspectos do corpo, como o bom funcionamento do sistema reprodutor. Isso inclui a ovulação, o equilíbrio hormonal e o estado de saúde geral da mulher.

Um desequilíbrio hormonal pode causar uma disfunção no crescimento ou liberação do óvulo e também entra na lista de problemas que possam desencadear a infertilidade.

Algumas outras doenças, como a síndrome dos ovários policísticos (SOP), a endometriose (que acomete uma parcela da população feminina dificultando a gravidez) e infecções no útero também podem desencadear a infertilidade.

Mas a infertilidade pode ainda ser causada por um outro fator pouco conhecido, que é a anovulação.

Quando ocorre a anovulação

A anovulação normalmente é diagnosticada em mulheres que estão investigando a dificuldade para engravidar. O problema atinge até 4% das mulheres. E, para compreender a fertilidade feminina, primeiro é preciso entender o que é ovulação e por que ela é fundamental para a gravidez.

A ovulação faz parte de uma das etapas do ciclo menstrual feminino. Nessa fase, o ovário libera o óvulo, que chega até as tubas uterinas (também conhecidas como trompas de Falópio) seguindo em direção ao útero, com o objetivo de ser fecundado. Quando não ocorre a fecundação do óvulo, a mulher menstrua.

Quando falamos de anovulação, se trata da ausência de ovulação. Ela ocorre quando o óvulo não é liberado pelo ovário, o que indica algum tipo de distúrbio, principalmente hormonal. Quando a anovulação acontece, os hormônios por algum motivo falharam e não estiveram em níveis adequados para desencadear a ovulação.

Sem ovulação, a mulher não consegue engravidar. E é preciso saber que menstruação e ovulação são processos diferentes. Ou seja, nem sempre quando uma mulher menstrua, quer dizer que ela vá engravidar. Entre 3% e 4% das mulheres são diagnosticadas com a doença quando apresentam problemas para engravidar.

“Até 35% das mulheres têm problemas de fertilidade, e a anovulação pode ser uma das causas desse problema. A origem pode ser devido a uma doença crônica ou devido a algo circunstancial, como situações de estresse ou baixo peso. Portanto, dependendo da causa, o especialista atuará de maneira personalizada”, explica o Dr. Agnaldo Viana, médico do IVI Salvador.

Todas essas informações gerais sobre anovulação não substituem uma consulta. Portanto, procure sempre um médico para fazer o acompanhamento correto desse período. Só ele pode solicitar os exames necessários e dar o diagnóstico e tratamento corretos para você. No IVI Salvador oferecemos todo o acompanhamento para anovulação; além das técnicas de reprodução assistida mais modernas do mundo.

Causas e sintomas da Anovulação:

A anovulação é causada mais comumente por um desequilíbrio hormonal, e o fator desencadeante deste desequilíbrio nos hormônios pode ter diferentes etiologias. A origem da anovulação pode ser também devido a uma doença crônica ou devido a algo circunstancial, como situações de estresse ou baixo peso.

As causas mais comuns para o desequilíbrio hormonal são síndrome dos ovários policísticos; e alteração no funcionamento da glândula tireoide (Hipo ou Hipertireoidismo). Pode acometer também uma mulher abaixo do peso ou acima do peso. Ou, se for portadora de tumores, especialmente os localizados na hipófise, que levam ao aumento do hormônio prolactina.

Os principais sintomas associados a esta causa são períodos menstruais muito irregulares – ou a falta deles – ciclos de mais de 35 dias, ausência de alterações no muco cervical, sangramento uterino excessivo e infertilidade. Este último é responsável pela maioria dos diagnósticos.

Para identificar uma paciente com anovulação, é necessário um exame físico, um histórico médico exaustivo e exames laboratoriais e de ultrassonografia em diferentes fases do ciclo para verificar se as alterações estão ocorrendo.

As primeiras medidas para resolvê-lo são normalizar o peso corporal, reduzir a prática de esportes (se for feito em excesso), e corrigir a disfunção de outros órgãos, como rins, fígado ou tireóide.

“Dependendo do resultado dos exames, da complexidade da situação, e do histórico clínico da paciente e do parceiro, será indicada a opção de reprodução assistida mais adequada. Felizmente, esses tratamentos estão disponíveis e permitem que cada vez mais mulheres realizem seus sonhos de ser mães”, acrescenta o especialista.

Os exames indicados para diagnosticar a anovulação

Para verificar se a causa da infertilidade é a anovulação, o médico responsável pela paciente vai solicitar alguns exames. Entre eles estão os exames de sangue (para observar o nível hormonal); e FSH, LH e estradiol.

Além deles, são pedidos os exames que medem o nível de progesterona; e também uma ultrassonografia transvaginal.

A depender dos resultados, outros exames também podem ser solicitados, mas isso será de acordo com a necessidade de cada paciente.

Os tratamentos para anovulação

O principal tratamento para a anovulação é estimulação ovariana. O procedimento faz parte de uma das etapas das técnicas de reprodução assistida.

Para mulheres com distúrbios de ovulação geralmente são indicadas relações sexuais programadas (RSP) – conhecida como coito programado. E a fertilização in vitro (FIV).

A estimulação ovariana utiliza medicamentos hormonais semelhantes aos naturais para ativar o desenvolvimento de mais folículos. Os medicamentos são administrados no início do ciclo menstrual.

O desenvolvimento é acompanhado por exames de ultrassonografia, que indicam o momento ideal para que os folículos sejam induzidos ao amadurecimento final e ovulação.

Na relação sexual programada a fecundação ocorre naturalmente. O objetivo do procedimento é programar o momento mais adequado para intensificar a relação sexual a partir da estimulação ovariana, aumentando, assim, as chances de gravidez.

Por isso, é uma técnica mais adequada para mulheres com até 35 anos. Elas possuem uma boa reserva ovariana e tubas uterinas saudáveis. É, inclusive, a primeira opção de tratamento para mulheres portadoras da Síndrome dos ovários policísticos (SOP).

Já na FIV, a fecundação ocorre em laboratório. O tratamento pela técnica é particularmente indicado para mulheres acima de 36 anos. Quando já existe uma diminuição da reserva ovariana, para mulheres obesas que sofrem com SOP. Ou, se não houver sucesso na gravidez com a relação sexual programada.

Em ambas as técnicas é possível obter a gravidez. Na RSP, como a fecundação ocorre naturalmente, os percentuais de sucesso são semelhantes aos da gestação natural: mais ou menos 20% por ciclo de realização do tratamento.

Já a FIV, por outro lado, é a técnica de reprodução assistida que apresenta os percentuais mais altos: cerca de 45% por cada ciclo de tratamento por FIV clássica e de 60% quando é realizado por FIV com ICSI (injeção intracitoplasmática de espermatozoides).

O Grupo IVI é líder mundial em reprodução assistida. São 80 clínicas em 9 países e 7 centros de pesquisa em todo o mundo. Em 2022, o IVI Salvador completa 12 anos ajudando casais a realizar seu sonho de ampliar a família. Agende sua consulta.

Solicite a sua primeira consulta:

Comentários estão fechados.

Voltar ao topoarrow_drop_up