agosto 8, 2017

Verdades e mitos da fertilidade masculina

Homem pensando nas verdades e mitos da fertilidade masculina

A infertilidade afeta cerca de 15% da população mundial e os fatores da infertilidade, ao contrário do que muitos pensam, se divide igualmente entre causas masculinas e femininas. Além disso, 20% dos casos são devido a fatores onde ambos parceiros exercem influência.

Em 4 de cada 10 casos de dificuldade de engravidar, o fator de infertilidade está relacionado diretamente com o homem. E, apesar do homem manter sua fertilidade por mais tempo que as mulheres, o estilo de vida pode reduzir bastante a qualidade dos espermatozoides produzidos.

Uma vida saudável com alimentação equilibrada e prática de atividades físicas pode ajudar os homens a manter sua saúde reprodutiva por mais tempo, e em alguns casos, inclusive recuperar parte da fertilidade.

Tire suas dúvidas sobre as verdades e mitos sobre a fertilidade masculina e procure um especialista em reprodução humana após um ano de tentativas de gravidez sem resultado positivo.

Verdades e mitos da fertilidade masculina

1 – O homem pode ter filhos mesmo em idade avançada

MITO: Apesar de que o homem produz espermatozoides a vida toda, isso não significa que estes espermatozoides têm saúde suficiente para fertilizar um óvulo, além disso os homens têm níveis diferente de fertilidade.

2 – Os efeitos colaterais dos anabolizantes para a fertilidade desaparecem depois do homem deixar de utilizar a droga

MITO: Ao buscar efeitos estéticos de ganho de massa muscular através do uso dos anabolizantes, o homem coloca em risco sua capacidade reprodutiva e inclusive potência sexual. O impacto dos anabolizantes podem continuar mesmo após o abandono do seu uso. Isso acontece porque ao consumir testosterona sintética, a produção de testosterona natural diminui e como consequência, a produção e qualidade dos espermatozoides também ficam reduzidas. Tomar bomba, além de viciar, pode trazer malefícios irreversíveis na fertilidade e também provocar problemas cardiovasculares e diminuir a imunidade.

3 – Infertilidade e impotência sexual é a mesma coisa

MITO: É possível ter uma vida sexual muito ativa e satisfatória, porém apresentar problemas que impedem que a gravidez aconteça, ou, pelo contrário sofrer disfunções sexuais, mas não necessariamente afetar a qualidade do esperma e sua capacidade de fertilização.

Por definição, a infertilidade se caracteriza quando após um ano de relações sexuais frequentes o casal não consegue engravidar, algo que por consequência implica que os homens são sexualmente ativos. Enquanto a impotência sexual é uma disfunção que pode estar associada a uma diminuição da libido, disfunção erétil e/ou falhas na ejaculação.

4 – Altas temperaturas na região dos testículos reduz a fertilidade

VERDADE: Homens que trabalham expostos a altas temperaturas, como por exemplo em estufas ou situações de alto calor têm um risco maior de produzir espermatozoides com alterações que inviabilizam a gravidez. Da mesma forma, trabalhar com certos produtos tóxicos como pesticidas também pode reduzir a fertilidade do homem.

5 – Obesidade diminui a fertilidade

VERDADE: O estudo “influência da obesidade masculina nas taxas de gestação em ciclos de reprodução assistida com óvulos doados” coordenado pelo Dr Gabriel de la Fuente, da clínica IVI Madri, revelou que homens obesos ejaculam em média 8 milhões de espermatozoides por mililitro menos que os homens que estão dentro do peso ideal. Neste estudo também foi identificada uma relação entre obesidade e baixa qualidade do sêmen.

Exames para avaliar a fertilidade masculina

O exame básico para a avaliação da fertilidade masculina é o espermograma, que estuda a mobilidade, aspecto morfológico e nível de concentração dos espermatozoides.

Porém o espermograma não é o único exame e tão pouco o teste definitivo para descartar o fator masculino de infertilidade, pois este estudo não é capaz de analisar a qualidade genética dos espermatozoides. Para este aspecto é importante realizar o Cariótipo do casal e a Fragmentação do DNA espermático.

Também é possível, dependendo de cada caso, que sejam solicitados análises hormonais e ultrassom do aparelho reprodutor.

 

Solicite a sua primeira consulta:

2 Comentários

  • Romário bonfim says:

    Oi boa tarde eu quero saber de vcs ,o seguinte é minha esposa tem mas de ano que parou de tomar injeção e não engravida,sera que tem haver alguma coisa por causa das enjeçao que ela tinha tomado anteriormente,e no meu caso é que trabalho com produtos tóxicos já faz mas de 4 anos isso afeta em alguma coisa
    Ta ok aguardo uma resposta

    • Blog.BR says:

      Olá Romário, os anticoncepcionais não interferem na fertilidade, porém poderiam ser outros fatores da fertilidade do casal. Trabalhar com produtos tóxicos, por exemplo é um fator de risco, pode sim afetar a fertilidade. Vocês dois devem ir juntos para uma avaliação da fertilidade do casal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topoarrow_drop_up