Solicite mais informações

10 coisas que você precisa saber antes de congelar óvulos

01-congelar-ovulo-blog

O congelamento de óvulos é uma técnica de vitrificação realizada através do esfriamento ultrarrápido dos gametas femininos por meio de nitrogênio líquido a uma temperatura de -196º capaz de manter por vários anos os óvulos, conservando suas propriedades intactas (acredita-se que se pode conservar por tempo indeterminado).

Congelar óvulos tem sido uma opção para as mulheres adiarem os planos de gravidez com mais segurança, já que os riscos da infertilidade por maternidade tardia estão principalmente associados à qualidade dessas células, que envelhecem rapidamente.

Muitos acreditam que após o desenvolvimento dos anticoncepcionais, o congelamento de óvulos é a mais nova revolução para o controle e planejamento da maternidade. Se por um lado o anticoncepcional ajudou a mulher a prevenir a gravidez até que chegue o momento adequado de ser mãe, o congelamento de óvulos ajuda que quando a mulher esteja pronta para ser mãe, isso seja possível, principalmente se os planos indicam que a maternidade provavelmente chegue após os 37.

Nem todo mundo consegue engravidar facilmente após os 37

É tão comum conhecer pessoas que engravidaram após os 35 que não nos questionamos se vamos enfrentar dificuldades. No entanto, o risco da infertilidade é real e afeta 1/3 das mulheres que tentam engravidar mais tarde.

O desconhecimento sobre as chances de conceber de forma saudável em relação às diferentes idades da mulher, com ou sem a ajuda da medicina, ainda causa muita confusão. Por isso, muitas vezes a decisão sobre congelar óvulos é tomada em um momento inadequado onde a qualidade dos óvulos é mais reduzida, como por exemplo, muito próximo aos 40 anos.

Como surgiu o congelamento de óvulos?

O procedimento de congelamento rápido de gametas (óvulos e espermatozoides) surgiu como uma indicação clínica para pacientes com câncer que precisavam se submeter a tratamentos de quimioterapia ou radioterapia.

Estes tratamentos contra o câncer são tóxicos para homens e mulheres e representam um alto risco de perda de fertilidade de forma permanente. Portanto, para preservar suas chances de gravidez antes de iniciar o tratamento, foi desenvolvida a vitrificação, que posteriormente mostrou seus benefícios para o que os médicos chamam de “congelamento por fator social”.

Hoje em dia, o congelamento de óvulos é uma alternativa para as mulheres adiarem os planos de engravidar com mais segurança com relação aos riscos de perda de fertilidade, abortos e doenças genéticas nos descendentes associadas ao envelhecimento dos óvulos. Este procedimento tem sido incentivado pelos especialistas para prevenir no futuro o que as clínicas de reprodução humana observam atualmente: Um cenário com muitas pacientes em tratamentos de reprodução humana que não podem utilizar seus próprios óvulos para serem mães porque já não possuem óvulos ou os mesmos não se desenvolvem após a fecundação.

O que é reserva ovariana?

A reserva ovariana é o estoque de óvulos que a mulher possui para toda sua vida. Os óvulos, que se encontram em estado adormecido protegidos pelos folículos antrais, são recrutados mensalmente para que a cada ciclo a mulher libere um óvulo através da ovulação. Caso fecundado por um espermatozoide a mulher irá engravidar, caso contrário, a mulher perde não apenas o óvulo que foi ovulado, mas também dezenas de outros que foram recrutados, porém minguaram durante o processo do ciclo menstrual.

Desde antes mesmo de nascer a mulher conta com sua reserva ovariana e perde dezenas de óvulos a cada ciclo, inclusive durante a infância antes de entrar na puberdade. Ao chegar aos 35, os melhores óvulos da sua vida já foram recrutados, e a partir desta fase, os óvulos que restam começam a envelhecer rapidamente até que ao chegar aos 43 anos é rara a possibilidade de engravidar naturalmente e é difícil encontrar óvulos sadios inclusive realizando tratamento de fertilização in vitro.

 

Dicas para quem está pensando em congelar óvulos:

  1. idade Ideal para congelar óvulos coincide com o melhor período de fertilidade da mulher. Ou seja, entre os 20 e 35 anos.
  2. Antes ou depois da fase entre 20-35 anos é possível congelar óvulos, no entanto, já não estamos realizando o procedimento em suas melhores condições, pois antes dos 20 a fertilidade não está plenamente desenvolvida e após os 35 a qualidade dos óvulos começa a ser menor.
  3. As chances de gravidez da mulher variam de acordo com sua idade, este aspecto está principalmente relacionado à idade do óvulo. Aos 25 anos as chances de engravidar de forma natural a cada mês são de 25%, aos 30 as chances se reduzem a 22%, aos 35 a 12%, aos 40, a possibilidade de engravidar naturalmente gira em torno de apenas 5% e aos 45 anos há somente 1% de possibilidade de engravidar. Ao utilizar óvulos congelados, as chances de sucesso do tratamento de reprodução humana serão estimadas a partir da idade em que os óvulos foram congelados.
  4. As mulheres nascem com sua reserva ovariana e não produzem óvulos ao longo da vida. Apesar de nascerem com milhares de óvulos, serão apenas ao redor de 400 óvulos os que terão uma chance de serem fertilizados, os restantes irão minguar e desaparecer.
  5. O ideal é congelar 10 óvulos para ter mais chances de conseguir engravidar quando você decidir que chegou o momento.
  6. Congelar menos de 10 óvulos não significa que você não terá chances de engravidar, mas sim que as possibilidades serão menores.
  7. Ao congelar óvulos, você está mantendo sua qualidade por tempo indefinido, ou seja, a vitrificação garante que a qualidade genética do óvulo se mantenha.
  8. Não existe idade máxima para implantação futura, mas sim recomendações médicas, que no caso do Conselho Federal de Medicina é até os 50 anos.
  9. Antes de decidir se adiar a data de congelar seus óvulos, faça uma avaliação da sua reserva ovariana, pois algumas mulheres podem sofrer uma redução da qualidade dos seus óvulos antes dos 35 anos. De preferência faça a avaliação com um ginecologista especializado em reprodução humana.
  10. Com o congelamento de óvulos você não está apenas prevenindo fatores de infertilidade, mas também reduzindo o risco de anomalias cromossômicas que podem levar ao nascimento de um bebê com trissomias, como a Síndrome de Down, por exemplo.

 

Compartilhar Facebook Twitter Google +