outubro 23, 2016

Tratamentos de Reprodução Humana mais efetivos são o foco do Congresso Americano de Medicina Reprodutiva

aumento das chances de gravidez com personalização do tratamento foi foco da ASRM

Chegará o dia em que os tratamentos de reprodução humana alcancem a taxa de sucesso que nossas pacientes merecem, ou seja 100% de gravidez por ciclo. Por enquanto, mesmo com os melhores resultados clínicos e utilizando as tecnologias mais avançadas, como fazemos nas clínicas do grupo IVI, a gravidez não é garantida na primeira tentativa.

A boa notícia é que os resultados têm melhorado muito com os últimos avanços da ciência. Foi o que vimos durante o 72º Congresso Anual da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM), onde foi demonstrado que temos ferramentas disponíveis para melhorar os resultados atuais dos tratamentos de fertilidade, podendo elevar as chances de gravidez a mais de 80%.

A personalização dos tratamentos de reprodução assistida foi o foco das soluções apresentadas; muitas delas já estão disponíveis no mercado. Algo para celebrar, porque não estamos falando de futuro, e sim do presente!

Para aumentar as taxas de sucesso dos tratamentos de reprodução humana é preciso personalizar diagnóstico, cada caso pode exigir diferentes exames, porém alguns estudos genéticos que até o momento eram encarados somente para condições específicas, demonstraram eficácia quando incorporado a todas as pacientes. Este é o caso do estudo da receptividade endometrial (ERA), que permite personalizar a transferência embrionária de acordo com o melhor momento de cada paciente.

O teste ERA até então era uma recomendação para pacientes com fracassos anteriores de Fertilização in Vitro, porém a pesquisa realizada pelo laboratório Igenomix, que teve a colaboração de especialistas do IVI, identificou após estudar 356 pacientes jovens com menos de 38 anos durante os anos de 2013 a 2016, que adotar o teste ERA elevou em 24% a taxa de gravidez atingindo 85% de sucesso nas taxas de implantação do embrião. Esta pesquisa recebeu o prêmio Prize Paper por sua relevância médica, entregue pela Society for Reproductive Endocrinology and Infertility.

Outra técnica que ajuda a aumentar a efetividade do tratamento é o estudo cromossômico dos embriões (PGS). Considerando que aos 37 anos 70% dos óvulos produzidos estão alterados, saber que os embriões fecundados a partir desses óvulos estão livres de cromossopatias é uma medida extra para o sucesso da gravidez e para ter um bebê saudável em casa.

Acompanhe os avanços da medicina reprodutiva através do nosso BLOG e siga nossas redes sociais. Estamos sempre apresentando novidades e dicas!

Facebook

Youtube

Twitter

Solicite a sua primeira consulta:

5 Comentários

  • Sueli says:

    Bom dia tenho 46 anos fuz laquiafura abvinte anos quero saber mesmo com essa idade poderia engravidar.

    • Blog.BR says:

      Olá Sueli, é possível com a fertilização in vitro, mas as chances são bastante reduzidas com os óvulos próprios. Consulte um especialista para uma avaliação personalizada.

  • Andreia says:

    Sou Andreia tenho 43 anos. Eu fiz uma laquiadura. a 13anos qr. Ter outro. Filho como posso. Fazer pra emcravida. Novamente??

    • Blog.BR says:

      Olá Andreia, a reversão da laqueadura muitas vezes não devolve a fertilidade. No seu caso, que tem 43 anos ela não é recomendada, pois antes é preciso conhecer sua reserva ovariana, que se debilita muito após os 40. Consulte um especialista em reprodução humana o mais rápido possível para ter mais chances de sucesso do tratamento.

  • Edineia França Alves says:

    Tenho 41 anos fiz laqueadura à 12 anos,equeria engravidar novamente! É possível? Até sonho fazendo supresa pro meu marido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topoarrow_drop_up