outubro 5, 2016

A estimulação ovariana prejudica a fertilidade?

tire suas dúvidas sobre a estimulação ovariana

Normalmente os ovários das mulheres liberam apenas 1 óvulo em cada ciclo menstrual. Através da técnica de estimulação ovariana, baseada na prescrição individualizada de hormônios, é possível produzir em um único ciclo uma maior quantidade de óvulos, o que é importante para aumentar as chances de sucesso da Fertilização in Vitro.

Você tem dúvidas se este tratamento prejudica a fertilidade? Aqui explicaremos, mas antes temos que começar por alguns conceitos importantes:

As mulheres perdem dezenas de óvulos mês a mês antes mesmo de chegar na adolescência. Se você é leitora do nosso blog, provavelmente já sabe que as mulheres nascem com um estoque de óvulos (reserva ovariana) que irá envelhecer com ela. Por isso, a fertilidade feminina tem uma grande influência da idade, já que os óvulos não se renovam ao longo da vida.

Aos 35 anos as mulheres continuam com sua plena saúde, porém seus óvulos não têm a mesma sorte e estão perdendo qualidade a um ritmo acelerado a tal ponto que a partir dos 35 anos 1 de cada 3 mulheres não engravida após um ano de tentativas e corre um risco de reduzir ainda mais suas chances se esperar muito para procurar um especialista em fertilidade.

1 de cada 3 mulheres sobrem com a infertilidade após os 35

O processo da ovulação

Os óvulos antes da ovulação estão dentro dos folículos ovarianos e a cada ciclo, a partir da ação dos hormônios do corpo, vários folículos se preparam para liberar óvulos, porém apenas um óvulo completa o processo de desenvolvimento, sendo que os restantes dos potenciais óvulos que estavam em evolução irão minguar e desaparecer da reserva ovariana.

A estimulação ovariana é uma técnica para manter o desenvolvimento de todos os folículos que normalmente se perderiam antes da ovulação. Dessa forma a paciente terá mais chances de conseguir bons óvulos e consequentemente mais chances de conseguir embriões viáveis. A estimulação ovariana é realizada através da prescrição individualizada de hormônios que serão tomados através de injeções diárias por um período também individualizado que normalmente dura entre 10 a 12 dias.

Nem todos folículos liberam óvulos que amadurecem

A primeira parte do tratamento de reprodução humana é obter o sucesso da estimulação ovariana com um bom número de óvulos maduros, que terão a chance de serem fecundados pelos espermatozoides. Após a fecundação, o óvulo fecundado tem o desafio de evoluir a estágio de embrião, é importante que os pacientes sejam conscientes que é possível que nem todos óvulos fecundados gerem embriões.

O que um embrião precisa para ser viável?

Durante o processo evolutivo do embrião, os embriologistas estarão avaliando diariamente o período de cultivo em laboratório, que normalmente é de 5 a 6 dias. No laboratório de embriologia da clínica de reprodução humana os embriologistas podem ver apenas os aspectos morfológicos do embrião. Também existem formas de estudar a viabilidade genética do embrião, que tem sido cada vez mais utilizada para descartar o risco de alterações cromossômicas que podem impedir a implantação do embrião após sua transferência no útero materno ou causar doenças cromossômicas como a Síndrome de Down, por exemplo.

Para a análise genética de embriões, não é preciso que o embrião saia da clínica onde foi realizada a fertilização, pois é realizada uma biopsia de algumas células do embrião e enviá-la ao laboratório de genética, que através do diagnóstico genético de embrião PGS, identificará na amostra enviada os aspectos da saúde e viabilidade cromossômica do embrião.

Um embrião viável é certeza de gravidez?

Infelizmente não. Para o sucesso da gravidez existem vários fatores que devem estar em sincronia, mas certamente um embrião viável morfológica e geneticamente terá mais chances. E graças à estimulação ovariana, as pacientes tem a chance conseguir mais embriões aumentando a possibilidade de que algum deles seja viável e possa ser transferido ao útero materno para que a gravidez aconteça.

Solicite a sua primeira consulta:

4 Comentários

  • Lilan oliveira says:

    Ola , estou entrando aqui porque estou muito anciosa , tenho 46 anos e estou em tratamento para engravidar estamos tentando pela insimenacao in vitro , apesar do meu medico não ter me dado alguma esperança eu acredito! meu exame ant mulleriana deu 0.99 , acredito que não seja muito mal para minha idade pois estou caminhando para os 47 anos , estou no terceiro dia das injeções isso já começa a gerar ansiedade, alguma mae nesta faixa etária que tenha historias para mm contar, esuqeci de falar não tenho problemas com infertilidade tenho três filhas . tenho laqueadura de trombas por isso vim por este método.

    • Blog.BR says:

      Olá Lilian, Realmente aos 47 anos o procedimento costuma ser com a ajuda de óvulos doados, não por que sua saúde não esteja bem, mas sim por que a fertilidade natural da mulher é bastante baixa nesta idade. Se está fazendo tratamento com óvulos próprios é importante que faça o estudo genético dos embriões PGS para ter mais chances e evitar doenças genéticas.

  • Clara says:

    Boa tarde,
    Tenho 43 anos e decidi engravidar o médico me disse que pela minha idade só poderia engravidar fazendo uma fiv, no entanto, depois um mês dessa consulta apareci grávida! Mas, infelizmente só foi até a nona semana.
    Depois de 6 meses decidi fazer a Fiv, na primeira vez que estimulamos meu ovário usando Gonal de Menopur não apareceu nenhum folículo. Esperei dois meses e tentamos novamente, aí apareceram dois folículos com óvulos, mas, apenas um fertilizou, no dia de fazer o estudo genético nesse embrião, ele não estava mais desenvolvendo.
    Você acha que vale a pena tentar pela terceira vez fazer a estimulação? Não quero pensar na questão de receber uma doação de óvulos.

    • Blog.BR says:

      Boa tarde Clara,
      Pode ser que seja necessária várias estimulações para acumular óvulos tentar que a fertilização gere embriões, você pode tentar, mas deve considerar que é possível que não seja apenas uma terceira, mas sim várias. Esta decisão com certeza é delicada, o que sempre precisará fazer neste caso é o estudo genético do embrião, pois o risco de aborto e de doenças genéticas são elevados.
      Sei que comentou que não quer pensar na recepção de óvulos, mas saber que ao gestar com a ajuda da doação dessa célula você também influencia geneticamente no bebê pode te ajudar. Te indico a leitura desta notícias: https://ivi.net.br/blog/ivi-revela-relacao-genetica-da-mae-em-gravidez-com-ovulo-doado/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topoarrow_drop_up